terça-feira, 1 de setembro de 2009

O Amor

O poeta louco
Nos seus devaneios
Escreve escreve escreve
Ele sonha acordado

Pensa milhares de assuntos
As fórmulas escritas
Congelam o som de seus dedos
Cravam no lábio o dente

Os olhos se reviram
Em cabeças esparramadas
Os assuntos fluem
O vento traz o arrepio

O poeta escreve
Transforma o arrepio em verso
E não importa essa fórmula
A essência sempre é O Amor!

2 comentários:

luisa disse...

Huuuum, tá namorandoooo AUHAUHAUHAUAUHA



Sempre o amor... tem como ser outra coisaaa??? =S


Beeijo*

pauane disse...
Este comentário foi removido pelo autor.