quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Dores, Receios e Prisões.

Uma gota no meu ombro, enfim... Chuva.
Uma lágrima no meu rosto...
Uma saudade no peito...
E um frio na barriga, enfim... Amor.

Chuva no parque abotoando saudades.
Saudades no peito amontoando amores.
Não vivo um dia a mais com essa dor.
Sem você aqui, tudo é escuro como a nuvem pesada de lágrimas.
Morde o dedo, aperte os dentes. Força, feche os olhos e sonhe.
Não volte ao recinto coberto de teto colorido.

Sonhei, acordei... Sem você aqui eu enlouqueci, enlouqueci...
A cor do céu escuro com você me abraçando é lindo.
O céu com cor azul sem você aqui é triste.
Arco-iris, nuvens, flautas...
Caminhos, destinos, frutas e arvores.
Você, eu, amor e eternidade.
Não quero mais do que isso.
Mas essa saudade dói... Dói.
Esse tempo sem você é rude.
Não há mais quem me segure nessa prisão interior.
Nem receios e nem dor.
Estou indo, meu amor. Me espere no portão.
Me beije e nunca mais me largue.

3 comentários:

luisa disse...

Ohhhh Fefo *-* Que graça de poema. Lindo meeeeeeeesmo \o
Como sempre.


Beijão

CorVo disse...

Oi!
Sou o CorVo, do Blog "Tudo é História". Recebi sua inscrição para colunista.
Entraremos em contato para dar o resultado,
abraço.

pauane disse...

Perfeito!
sz